Número total de visualizações de página

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Rima

Gosto de rimas
E de risos
Que nem sempre rimam
Com os avisos
De quem rema
Contra a maré.
Mas na rima
Dos meus remos
Estás tu
E a minha fé.
Fé divina
Na maré
Que me lança na praia
Sem nunca perder o pé!

Helena

9 comentários:

  1. fico sempre fascinada com poesia que rima:)
    e gosto quando é boa como no seu caso :)
    isso para mim é uma incapacidade total...
    xi
    maria

    ResponderEliminar
  2. maria anime-se porque eu comecei há meses e nem sei bem se vale alguma coisa o meu versejar...

    ResponderEliminar
  3. que bom que é
    não saber

    um livro p'ra ler
    se apetecer

    o caminho livre
    e decidir
    agora vou ler
    vou por aqui

    Pedro

    ResponderEliminar
  4. que bom que é
    não saber
    do caminho livro
    p'ra ler
    do trabalho oblíquo
    p'ra ser
    do tempo objecto
    p'ra ter
    esse olhar coisa
    p'ra ir
    não por aí
    não por aqui
    ir sem ir
    ficar sem ficar
    viagem completa
    um lado luar

    Pedro

    ResponderEliminar
  5. Olho as rimas como olho para as cores.
    Alegram-me, entristecem-me, não só por elas mas pelo que sinto nesse momento.
    Rimas?
    Arco-iris?


    Um bom fim de semana
    Rolando

    ResponderEliminar
  6. adoro-a é uma grande senhora de uma inteligencia e de saber estar...um beijo em seu coração.

    ResponderEliminar
  7. Lindo...este poema, como quem o escreveu. Parabéns, é um exemplo de mulher.Abraço.

    ResponderEliminar
  8. gosto da rima, ainda mais de risos,...gosto de risos que libertam a alma, gosto de risos expontâneos, gosto dos olhares que acompanham os risos, que emanam energia, gosto do riso pelo riso, gosto do riso na face das pessoas, de todas as pessoas, gosto do riso e de poemas assim!

    ResponderEliminar
  9. Isto, isto era o que eu queria


    Não queria ser prisioneiro em tua mente
    Queria antes, adormecer contigo em sonhos
    E acordar-te de repente
    Ser um barco no teu cais
    Navegar em teus pensamentos
    Falar-te de coisas banais
    Sem tocar nos sentimentos
    Sem rumo, sem norte
    De ninguém, nascer à sorte
    Seguir o horizonte
    Acenar-te lá do monte
    Contar-te da minha ambição
    Sem criar uma ilusão
    Ser real por um só dia
    Mas isto, isto era o que eu queria..

    ResponderEliminar